Em tempos de pós-verdade, ‘Bandidos na TV’ joga dúvida sobre história de apresentador que encomendava mortes

Bandidos na TV

Numa época em que as séries de ficção têm se firmado com vigor, faltava ao Brasil mostrar que seriados documentais também podem ser um forte. Embora muito premiados no mundo do cinema, os documentários ainda estavam sendo deixados de lado na televisão. Foi preciso que fenômenos como “Making a Murderer” e “Wild Wild Country” acontecessem para que a Netflix percebesse o potencial que este país tem para boas histórias. O pontapé inicial atende pelo nome de “Bandidos na TV”, que acompanha a história de Wallace Sousa, apresentador de um programa policial e deputado estadual acusado de produzir mortes de criminosos para exibir na televisão.

Já contada em forma de ficção na série “Pacto de Sangue”, estrelada por Guilherme Fontes no Canal Space, a trama ganha nuances ainda mais poderosas graças à vasta documentação mostrada pela produção dirigida por Daniel Bogado. O documentário, dividido em sete partes, trata a narrativa quase como uma novela, com poderosos ganchos no final. Além de fugir do eixo Rio-São Paulo – a história é ambientada em Manaus -, o projeto joga dúvida sobre uma história replicada à exaustão pela grande imprensa e pela população. A fotografia é arrojada e há riqueza de fontes.

Com acesso ao acusado e seus funcionários e familiares, aos policiais e até mesmo aos depoimentos de traficantes na época, “Bandidos na TV” parece uma série propícia para estes tempos de pós-verdade. A todo momento testemunhas mudam versões. Todos juram contar fatos verídicos e o que ocorreu de fato fica cada vez mais nebuloso. Tantas são as hipóteses, indícios e acusações que, no final, a impressão que dá é que todos, sem exceção, são, em alguma medida, criminosos. Da mesma maneira, fica claro que não precisa muito para saber mobilizar a opinião pública quando se lida com multidões sem acesso à educação. O seriado é, desde já, uma importante referência para entender como funciona o Brasil.

 

Fonte: Blog Jovem Pan (UOL)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *